Linguagem[+]

domingo, 15 de abril de 2018

HOMENAGEM AO CONGRESSO INTERNACIONAL COMEMORATIVO DOS 270 ANOS DA PRESENÇA DOS AÇORIANOS EM SANTA CATARINA


                                                


    PROGRAMAÇÃO     
Fonte/imagem web

                           
      Programação: 270° ano da 
    presença açoriana em SC 

  
“As Velhas” da Ilha Terceira - Açores
Cantar “As Velhas”

     Segundo dados colhidos, cantar As Velhas é uma poética de exclusividade da Ilha Terceira.  Conceito que se assemelha às cantigas trovadorescas de escárnio e maldizer, com base no improviso, entre dois cantadores, ao som musical de uma viola, entre as de evidências, estão, a viola da terra com 12 cordas e viola da Terceira 18 cordas, todas de arame. Embora diferente do canto ao desafio, alguns estudiosos defendem, que nas velhas há a situação risível, em qual o cantador tem por objetivo apresentar uma resposta ou réplica mais original e melhor, da apresentada pelo seu oponente, sem o desafiar.
O fenômeno da insularidade deixou marcas no espírito dos açorianos. Cinco séculos de isolamento físico, e de contato permanente com o mar de horizontes finitos, passando por cataclismos vulcânicos, o povo caldeou uma religiosidade gerada, precisamente, no terror sagrado de sismos e vulcões, que foram fatores que marcaram e moldaram o modo de ser, de pensar e de agir do açoriano português.
Quanto à origem da cantiga As Velhas, pouco da sua história se sabeÉ indiscutível que foi levada pelos primeiros povoadores. A influência pode ter sido brasileira, africana e também americana. Tudo leva a crer que esta canção tem afinidades com as cantigas de escárnio e maldizer e também com a poesia trovadoresca da Idade Média. Pode ter influência com a Cantiga Chacota, canção de “fazer rir verdades e fantasias”, um dos gêneros musicais utilizados por Gil Vicente para “criticar, troçar de tudo e de todos, mas a todos divertindo”.
As Velhas possuem uma estrutura poética constituída por uma sextilha e uma quadra. Nas trovas não se faz crítica usando os nomes próprios dos visados. A denominação quase sempre se volta à “velha ou velho, meu avô ou minha avó”, figura familiar a representar o adversário de um dos integrantes, mesmo que com o tempo, o tema das cantigas partiu para a revelação de uma crítica social a ser denunciada.
Eis abaixo algumas letras de autoria de Laerte Tavares, a expressar personagens locais da Ilha catarinense:

Velha lá da Joaquina,
Quando jovem era divina,
Tendo a bunda tatuada

Com uma pomba singela
E grande águia atrás dela
Tentando uma rapinada.

Hoje, essa velha é um caco,
Virou sombra, pele e osso,
A pomba foi pro buraco
E a águia enfiou o pescoço.

********

Velho devoto e aflito
Lá da Enseada de Brito,
Pediu um milagre ao santo.

Queria uma companheira
Rica, bonita e faceira,
Para viver no seu canto. 

O triste ganhou, no entanto,
Uma encrenqueira vizinha.
Pensou ser obra do santo,
Mas foi praga do Peninha.

********

Velha da Beira-Mar Norte,
Tinha jurado de morte
A amante do marido

Que era uma inflável boneca
Imunda, feia e careca
Trajada em velho vestido.

Quando a velha a dá um tiro,
A boneca se desfaz
Em prolongado suspiro.
- Matei ele! É Satanás!... 

********

Velha da Praia do Meio,
Dizia ter só um seio
Que era do lado direito.

Um velho que a tinha em mira,
Apostou que era mentira
Que tivesse tal defeito.

Depois do tratado feito,
A velha deu seu recado:
- Eu tenho à direita um peito,
E o esquerdo, do outro lado.

********

Velha lá de Itaguaçu
Parecia um baiacu,
Tamanha a pança que tinha.

Dizem que na juventude
Ela esbanjava saúde,
Muito elegante e magrinha.

Contou-me um velho tarado
Que ainda transa com ela,
Mas trai a velha ao seu lado,
Só pensa nela em donzela.

********

Uma velha lá de Ganchos
Tinha as pernas de garranchos
Iguais a ramos de junco.

Além da coluna torta
E olhar vidrado, de morta,
O seu nariz era adunco.

No parto quem atendeu,
Foi velha Maria Moura
Que, vendo o semblante seu,
Pôs à mãozinha uma vassoura.

********

Velho que casou de novo
Convidou todo o seu povo
À festa de casamento.

Em meio, tomou um Viagra,
Pegou a noivinha magra
E subiu ao aposento.

Quando o defunto cresceu,
A noiva o puxa, excitada.
- Espera! O “pileco” meu,
Eu vou mostrar da escada.

********

Velha da Ponta de Baixo,
Tinha um garoto por “cacho”,
Rapaz bonito e atrevido.

Um dia pegaram os dois
Num matagal, e depois
Ouviram triste gemido

Acharam o rapaz pelado
Com a velha rapariga
Que dava um gemido uivado
Com o rabo num pé de urtiga.

********

Velha lá de São Miguel
Tinha um nefasto papel,
O papel de cafetina.

Anunciava ao povo
Ter sempre um brotinho novo
Sensual - linda menina.

Ela engendrava o programa
Com um moço à bela donzela.
Mas fazendo um melodrama
Quem vinha nua, era ela.

28 comentários:

  1. Olá Silo: que bom chegar aqui e ver uma homenagem aos Açores, mais propriamente às Velhas da ilha Terceira. Sou da ilha de S. Miguel, a maior ilha do arquipélago dos Açores.
    Muito obrigada pelo simpático comentário. Também vou ficar aqui a segui-lo.
    bjn
    márcia

    ResponderExcluir
  2. Boa noite amigo Silo!
    Tenho imenso prazer em receber o seu comentário e saber que gostastes dos meus escritos.
    Nao sou um escritor por formação, sim por vocação, o que me deixe muito feliz em saber que agradei-te com a minha simplicidade.
    Espero poder ver-te sempre por aqui, onde de certo és muito bem vindo! Um forte abraço e um desejo de muitas e boas inspiraçoes!

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Laerte,
    Gostei de conhecer essa estrutura poética.
    'As velhas' são cantigas muito divertidas
    e suas composições ficaram muito legais!
    Bjs ;)

    ResponderExcluir
  4. Já hoje comentei noutro blogue que quero visitar logo que seja possível.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  5. Caro Silo, un bel post davvero.
    Ciao e buona giornata con un forte abbraccio.
    Tomaso

    ResponderExcluir
  6. Danke,
    ich habe was dazu gelernt!!!
    LG
    Karina

    ResponderExcluir
  7. Não conhecias estas canções. Também não conheço os Açores a não ser virtualmente.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. https://poemasdaminhalma.blogspot.pt/
    Olá Laerte!
    Adorei o poema, mas também a velha história, da Ilha de S. Miguel, e da velha atrevida.
    Obrigada por ter vindo.
    Abraço amigo.
    Luisa Fernandes

    ResponderExcluir
  9. Que bela apresentação desta tradição e historia da Velha, que adorei ler e rir muito. Já tinha lindo alguma coisa parecida e não sabia desta historia amigo. Foi ótimo vir e aprender um pouco mais e assim lhe fico grato amigo por mais esta. Neste recontar histórias você tem feito um belo trabalho.Vou ler mais e e brincar com esta estrutura de poesia.
    Meu terno abraço e boa semana de paz e luz.

    ResponderExcluir
  10. Muito bem. Uma publicação riquíssima :))

    Hoje:- {Poetizando e Encantando} Se chegares, amar-me-ás eternamente.

    Bjos
    Votos de uma Óptima Terça-Feira.

    ResponderExcluir
  11. São brincadeiras terceirenses que fazem lembrar as farsas de Gil Vicente, o pai o teatro ibérico.
    Estão muito diferentes: menos brejeiras e de um burlesco mais inteligente... semelhante às suas.
    Há muito tempo que não vou à Terceira... Saudades...
    Abraço, Amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  12. brillante informacion sobre todo el acto Silo Lirico donde nos podemos hacer una idea detallada del mismo con tus poemas llenando el mes de abril de rimas bellas y de gan emocion , recibe mis saludos . jr.

    ResponderExcluir
  13. Só resta agradecer a partilha por informar detalhes tão interessantes sobre essas brincadeiras. Excelente apresentação apresentação. Gostei do atrevimento da velha.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Que bela homenagem amigo Laerte!
    Boa semana!
    Joana

    ResponderExcluir
  15. A velha da Joaquina era muito avançada, para ter o rabo tatuado. Muito bom.

    ResponderExcluir
  16. Obrigada pela partilha, não conheço os Açores e é sempre bom ficar esclarecida sobre alguns aspetos.
    Boa quarta.

    ResponderExcluir
  17. Laerte, que bela homenagem! as cantigas de escarnio e maldizer eram uma maravilha na epoca. De um jeito bem engraçado falavam mal de tudo com uma pontinha de humor e assim, os ofendidos até achavam piada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Boa noite Laerte,
    Uma postagem rica em detalhes, uma bonita história!
    Boa semana!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  19. É uma espécie de cantiga ao desafio. Gosto imenso de ouvir os cantares dos entendidos na matéria ;)

    ResponderExcluir
  20. text is interesting but poetry about woman is so cheap
    people always stay same the way they are ugly or beautiful
    everything has our own eyes
    this is truly about how we look at ourselves and others

    ResponderExcluir
  21. La insularidad suele ser un buen elemento para que ciertas costumbres heredadas de otros lugares se perpetúen o las hagan singulares.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  22. Obrigado pelas boas informações que tanto apreciamos!


    Convidamos a ler o capítulo X do nosso conto escrito a várias mãos "Voar Sem Asas".
    https://contospartilhados.blogspot.pt/2018/04/voar-sem-asas -capitulo-x.html

    Saudações literárias
    Bom fim-de-semana

    ResponderExcluir
  23. Estas crónicas sobre os açorianos são muitíssimo interessantes. É um trabalho notável.
    Bom fim de semana, caro amigo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  24. Lindos as suas cantigas! O amigo Laerte tem o dom de fazer rimas. Gosto muito. Parabéns!
    Enriquecedora a sua aula sobre as "Velhas" dos Açores. Percebi agora o porquê dessas canções. Grata.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  25. Interessantíssimo apontamento cultural que dá conta e elucida sobre uma tradição ancestral, e, ao mesmo tempo, a mantém viva na memória de todo um povo caldeado pela adversidade da natureza.
    Abraço.

    ResponderExcluir