Linguagem[+]

domingo, 13 de maio de 2018

SAUDAÇÃO ÀS MÃES

web


Hoje, segundo domingo de maio, dia treze, é uma data de muitas comemorações em nosso país. É o Dia das Mães que, coincidentemente, caiu no dia consagrado à Nossa Senhora de Fátima, por sua aparição em mil novecentos e dezessete. Comemora-se também, a Ascensão de Jesus aos céus. Dia treze de maio de um mil e oitocentos e oitenta e oito a Princesa Isabel assinou a lei áurea que daria fim a vergonhosa escravatura no Brasil. É o dia das Comunicações Sociais (dia das notícias, dos jornais, dos jornalistas, dos comunicadores etc). Hoje ou ontem (12/5) faz cem anos que foi estabelecido o dia de homenagear as mães no Brasil – Centenário do Dia das Mães. A história começou em pequena cidade dos Estados Unidos quando Ana Jarvis resolveu homenagear a mãe convidando as amigas dela para um café, em 1907, e dali em diante toda a cidade tomou essa prática, até que em 1914 o presidente daquele país tornou o dia oficial. No Brasil estabeleceu-se a data, treze de maio, em 1918, porém, foi em 1932 que o Presidente da República oficializou o Dia das Mães para o segundo domingo de maio. Em Portugal a comemoração já se deu no domingo passado (seis de maio). Presto homenagens a todas as datas mencionadas, mas para exaltar as mães que geram, outras que criam, terceiras que educam, mães que atendem, e tantas outras, compus um poema especial a elas e aqui o deixo como meu penhor simples, mas singular e magnânimo pela própria grandeza da figura homenageada, a mãe.

SAUDAÇÃO ÀS MÃES
Autor: Laerte Sílvio Tavares.


Dia das Mães é um dia que se passa /
No mês de maio, sagrado à Maria, /
A mãe da Deus. Que as mães neste dia /
Recebam dela a consagrada graça /
De luz e bênção, a luz que se enlaça /
Ao filial amor, do qual me ufano /
Por ser amor de Deus Pai Soberano. /
Então, que o dia seja só de amor! /
O amor que traz amor, e aonde for /
Levará luz que dá à luz ao ser humano.

terça-feira, 1 de maio de 2018

SONHOS

                                  LAERTE SÍLVIO TAVARES - O ENGENHEIRO CONSTRUTOR DE VERSOS -                                                                             OBRA DO ARTISTA PLÁSTICO CATARINENSE BONSON.

ANTOLOGIA DE POESIA DA EDITORA CHIADO - PORTUGAL - ANO 2017
COM POEMA SELECIONADO "SONHOS" DE LAERTE SÍLVIO TAVARES 



SONHOS

O meu sonho é enorme...
Não posso ser pequeno!
Vamos à voga e à vela. Ao sonho aceno
Que o seguirei igual como quem dorme.
Traço meu rumo ao dele, a estar conforme
Para singrarmos já  ao pano pleno.
Dada ambição, sem vento, eu me enveneno,
Corrijo rota, a fim que se transforme
Vaga viagem à vã velocidade,
Veloz; volvendo ao vento vil vindo que invade
Vão do velame inteiro, eu ultrapasso
O sonho meu sem leme e sem sentido.
Ao me acordar no oceano, perdido,
Nada planejo! Nada sou, nem faço!...

Na cama,  eu viro, durmo e me atrelo
Ao lindo sonho em um reino encantado.
Príncipe sou, e uma princesa ao lado
Conduz-me à dança no amplo castelo
Onde graceja um só polichinelo
Junto de súditos daquele reinado.
Danço com a dama de rosto colado,
Mas eis que ela, contrária ao meu fado,
Afasta o rosto e me acorda ligeiro.
Ao ver que o sonho foi tão passageiro
Retorno a ele, qual fiel soldado
E aos risos, danço. Meu ser verdadeiro
Mantém-se alegre quase o dia inteiro,
Feliz da vida e sonhando acordado.